O Novo Coronavirus
O coronavirus é um vírus ja conhecido nosso

O Novo Coronavirus

  • Post author:
  • Post category:Artigos

O NOVO CORONAVIRUS

 

Não sou especialista no assunto, mas vou tentar trazer a minha posição como médico atuante tanto no SUS quando na medicina privada do Brasil em uma linguagem bem simples para que todos consigam compreender.

Para começarmos a entender a atual situação precisamos conhecer o que é o novo coronavírus e como ele surgiu. O coronavirus é um vírus ja conhecido nosso, porém estamos diante de um novo coronavirus, o covid19. Esse vírus circula naturalmente entre alguns animais silvestres, e dentre esses o morcego é um que comumente é colonizado pelo coronavirus. Entendendo um pouco do local de origem e de seus hábitos culturais, a migração de morcegos para humanos aconteceu em alguns mercados de animais silvestres na China. Hábitos de se alimentar de animais silvestres sem nenhuma forma de controle sanitário nestes locais é a condição perfeita para o surgimento de tais epidemias. Conseguimos lembrar rapidamente de outras epidemias com origem semelhante da China como o H1N1 e a Gripe Aviária.

Sabendo de sua origem, agora é fundamental entendermos o vírus, sua forma de transmissão, sua capacidade de contágio e sua letalidade. Obviamente quando estamos lidando com o vírus novo, não temos muitos dados precisos e muitas das vezes temos dados muito discordantes. Então para começarmos a interpretar tais dados e não nos confundirmos temos que pensar na fonte dos dados, no volume e confiabilidade dos dados e qual contexto cada dado foi gerado.

Os primeiros números que tivemos foram da China, local onde se iniciou a pandemia, e onde temos dados porém não temos certeza se temos todos os dados reais.

Analisando os números disponíveis da china, o covid19 tem uma mortalidade global de 4%. Sabemos ainda que sua taxa de transmissibilidade é de 2,7, ou seja, em média uma pessoa transmite para 2,7 pessoas. Esse é um dado importante e que nos permite fazer cálculos sobre a curva epidemia de cada país. Para vocês entenderem: vamos arredondar essa taxa de transmissibilidade para 3….logo, uma pessoa passa para 3 pessoas. Cada uma dessas 3 pessoas passam para mais 3 pessoas (mais 9 contaminados), depois cada um desses 9 passariam para mais 3 pessoas (mais 27 novos contaminados) e assim por diante.

Outro dado importante para conhecermos é a velocidade de propagação do novo coronavirus. Sabemos que a cada dia o número de contaminados crescem em média de 20 a 35%, ou seja, a cada 3 dias o número de casos dobram.

Sabemos ainda que após o 30o dia do primeiro caso em um país o número de casos acelera e inicia a forte curva de elevação de casos até atingir o pico epidêmico, se estabilizar e depois naturalmente cair.

Então resumindo falamos de mortalidade (vírus com baixa letalidade global, apesar de ter alta letalidade em grupos de risco), transmissibilidade alta e consequente velocidade de contagio alta. Sabemos ainda que os primeiros 30 dias temos um aumento não tão rápido do número de casos e se eleva muito rapidamente após o 30o dia.

Bom, agora vamos falar do cenário mundial: temos muito falado ultimamente de China, Itália e EUA. Falando de hoje, dia 26 de março, temos cerca de 81.000 casos na China, cerca de 74 mil casos na Itália e um pouco mais de 66 mil casos nos EUA. A letalidade na China está em 4%, 10% na Itália e 1,58% nos EUA. Com esses dados eu pergunto? Por que taxas de letalidade tão diferentes em cada país? Temos vírus diferentes? O Vírus é mais virulento na Itália?

A resposta não é unifatorial, provavelmente inúmeros fatores causaram tal variação na taxa de letalidade como envelhecimento populacional de cada país, capacidade do sistema de saúde de cada país, políticas precoces de contenção do novo coronavirus, mas PRINCIPALMENTE a taxa varia muito pelo numero de pacientes realmente testados para o Covid19. Como muitos países não possuem testes suficientes para todos os suspeitos, reserva-se aos casos graves a testagem para coronavirus. Com isso, só entra para a estatística os pacientes testados positivos, que foram os pacientes internados em UTIs. Então fica um pouco mais nítido entendermos: se excluirmos os casos leves da estatística e deixarmos somente os casos graves, obviamente vamos aumentar nossa taxa de letalidade.

Então eu quero dizer que a taxa de letalidade do covid19 não é alta? Não devo me preocupar por isso? Não, a taxa de letalidade do vírus não é uma taxa de letalidade alta, porém devido a sua alta capacidade e velocidade de transmissibilidade que está o principal problema. Muitas pessoas comparam os números absolutos de mortes de outras doenças infecciosas com o coronavirus como tuberculose, dengue, H1N1, etc. Realmente tais doenças matam anualmente um número grande de pessoas em todo mundo, porém o problema é quanto o covid19 mata por dia numa velocidade que esgotam todos os sistemas de saúde e geram consequências gravíssimas para toda sociedade. Aumento de mortes indiretas de outras patologias por saturação dos sistemas de saúde publico e privadas pelo novo coronavirus e deteriorização econômica global causada pelas medidas de contenção do vírus.

E no Brasil? Qual o cenário hoje e o que esperar?

É impossível predizer como será a curva do novo coronavírus no Brasil, porém analisando números identificamos alguns dados comparativos com outros países.

Vamos iniciar comparando o numero de casos no 30o dia após o 1o caso. Na china após 30 dias eram 9.802, na Itália eram 1.694 e no Brasil 2.555. Ou seja, sabendo que no Brasil também não estamos testando os casos leves e brandos, somente os graves, podemos comparar grosseiramente nossa estatística com a Itália e temos um numero maior de casos que no país europeu. Comparando número de casos de óbito no 30o dia na Itália haviam 29 e no Brasil foram 59 óbitos no 30o dia. Importante lembrar a diferença populacional entre Itália e Brasil. Na Itália temos cerca de 60 milhões de habitantes, enquanto no Brasil somos quase 210 milhões.

Analisando tais dados ao fato de sermos um país pobre, sem muitos recursos de saúde, com contexto social de muitas comunidades carentes sem nenhum saneamento básico, temos uma preocupação de como será essa epidemia aqui em nosso país. Como vantagem em relação a Itália é que começamos mais precocemente as medidas de isolamento social e tentativa de contenção do vírus.

Um ponto positivo no Brasil é o número de vagas de CTI por 10.000 habitantes que é maior que a maioria dos países Europeus, no caso da comparação maior que o da Itália. Tais leitos são num total entre hospitais públicos e privados, porém podem ser utilizado em situação de emergência como leitos públicos para toda a população. Hospitais de campanha estão sendo montados para aumentarem ainda mais tal oferta.

Outro fator muito falado ultimamente são os impactos econômicos do lockdown econômico. Ou seja, da paralisação dos serviços, comércio, não circulação e confinamento. Todos sabemos que somos um país pobre e os impactos de uma crise econômica serão sempre maiores que nos países ricos. Obviamente tais impactos devem ser levados em conta na tomada das decisões pois também geram mortes indiretas pelo aumento da pobreza, aumento do desemprego, piora de entrada aos serviços de saúde e aumento da violência. Porém não podemos neste momento sermos radicais nem na política radical de isolamento e lockdown econômico nem na radicalidade de só pensarmos na economia.

A meu ver o lockdown com isolamento social precoce por tempo determinado é importante, porém seu retorno gradual e não demorado também é fundamental, iniciando pela troca do isolamento horizontal para o isolamento vertical até retorno completo das atividades. Dessa forma conseguimos atrasar a curva epidêmica sem arrasar a economia, tentando atingir um equilíbrio entre os dois lados. Prejuízos teremos certamente, agora precisamos tentar minimizá-los.

Por hora mantenham os cuidados de contágio solicitado pelas autoridades.

Dr. Marco Aurélio Lameirão

Cirurgia Geral e Videolaparoscopia
Rua Cel Moreira César, 160 sala 912
Tel: (21) 2611-0180

Site: www.drmarcoaureliolameirao.com.br

Referência:
https://coronavirus.saude.gov.br/